Glossario

GLOSSÁRIO DE A a Z DA COLOR ANDINA FOOD®

Elaboramos um glossário resumido de termos aplicados a alimentos de uma maneira geral, em especial aos naturais, orgânicos, agroecológicos e funcionais.

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ

Açucares: São todos os monossacarídeos e dissacarídeos presentes em um alimento que são digeridos, absorvidos e metabolizados pelo ser humano. Não se incluem os polióis.

Açúcar Frutose: Frutose A frutose também é um tipo de adoçante natural, mas que, porém, é extraído de frutas ou do milho. De sabor muito mais doce, o ingrediente é carrega menores valores nutricionais e é utilizado na produção de doces industrializados.

Açúcar Ligth: É a versão mais indicada para aquelas que estão querendo emagrecer com dietas naturais, o açúcar light é a mistura de açúcar refinado com adoçantes artificiais, como o aspartame, que adoça quatro vezes mais que as versões naturais.

Portanto, embora não seja isento de gorduras e calorias, o açúcar light adoça mais e é utilizado em menor quantidade, ação que resulta em ingestão de menos calorias.

Açúcar Mascavo: Mascavo de cor caramela e com sabor parecido com o da rapadura, o açúcar mascavo é extraído da cana-de-açúcar e o que lhe confere características diferentes do refinado é a diferença no processo de industrialização, já que é obtido no cozimento e, portanto, não passa pelo processo de refinamento, ação que conserva seus valores nutricionais. Embora sua diferença calórica não seja considerável, o ingrediente é considerado uma das versões mais saudáveis dos tipos de açúcares.

Açúcar Orgânico: Muito parecido com o mascavo, o açúcar orgânico não utiliza produtos agrotóxicos em seu plantio e cultivo e nem componentes químicos artificiais no processo de industrialização. Além disso, o açúcar orgânico não é refinado, o que lhe confere grãos mais grossos e cor mais escura. Portanto, seus benefícios estão relacionados à ausência de aditivos químicos e preservação dos sais minerais e não aos valores calóricos.

Açúcar Demerara: Conhecido por ser uma das formas mais caras dos açúcares extraídos da cana, o demerara é muito utilizado na receita de doces sofisticados. De sabor mais ameno que o mascavo, o ingredientes passa pelo processo de purificação e refinamento, porém, não leva aditivos químicos e, portanto, mantem os teores minerais da cana-de-açúcar.

Adaptógeno – Ajuda o corpo a lidar com o stress (exemplo: ginseng).

Adipógeno – Propicia a acumulação de gorduras e, consequentemente, o aumento do tecido adiposo.

Afrodisíaco: Aumenta a potência e o desejo sexuais.

Agricultura orgânica: Na agricultura, por exemplo, utiliza-se apenas sistemas naturais para combater pragas e fertilizar o solo. Embora apresentem praticamente as mesmas propriedades nutricionais dos alimentos inorgânicos, os orgânicos apresentam a vantagem de seres mais saudáveis, pois não possuem agrotóxicos. Também são mais saborosos.

Agroecologia: A agroecologia é a junção harmônica de conceitos das ciências naturais com conceitos das ciências sociais. Tal junção permite nosso entendimento acerca da Agroecologia como ciência dedicada ao estudo das relações produtivas entre homem-natureza, visando sempre a sustentabilidade ecológica, econômica, social, cultural, política e ética.

Alimento funcional: é um alimento natural ou enriquecido com aditivos alimentares como - entre outros - vitaminas, minerais dietéticos, culturas bacterianas, Ômega 3, antocianinas, carboidratos - fibras (como probiótico, prebióticos, etc.) que possam contribuir para a manutenção da saúde e redução do risco de doenças. Cientistas alimentares ainda estão avaliando o Pro e Contra do uso de alimentos funcionais na nutrição humana sob aspectos da qualidade alimentar.

Alimentos Orgânicos: O alimento orgânico pode ser agroecológico ou não! Os produtos orgânicos não fazem uso de produtos químicos sintéticos ou alimentos geneticamente modificados. A filosofia dos alimentos orgânicos não se limita à produção agrícola, extendendo-se também à pecuária (em que o gado deve ser criado sem remédios ou hormônios), e também ao processamento de todos os seus produtos: alimentos orgânicos industrializados também devem ser produzidos sem produtos químicos artificiais, como os corantes e aromatizantes artificiais. Pode-se quase resumir toda sua essência filosófica num desprezo absoluto por tudo que tenha origem na indústria química.

Alergeno ou alergénio: Susceptível de provocar reações alérgicas.

Amaranto: O amaranto é um grão de 8.000 anos de idade que já foi base de dietas astecas. A planta amaranto está relacionada com acelga, quinoa , beterraba e espinafre produz milhares de sementes minúsculas que, na verdade, compõem este produto parecido com um grão como o arroz. Embora não seja comumente usado em dietas brasileiras, está ganhando em popularidade por causa de seu valor nutritivo extraordinário. Suas folhas também são muito usadas em receitas para um valor nutricional mais rico.

O amaranto contém quatro vezes o cálcio encontrado no trigo e duas vezes a ferro e magnésio. Também é rico em vários aminoácidos, especificamente lisina, metionina e cisteína e, como resultado, o amaranto é uma proteína mais completa do que muitos outros tipos de grãos.

Benefícios: O amaranto é livre de glúten, tornando-se a farinha alternativa para quem sofre de doença celíaca, pois deve evitar trigo, cevada e centeio. Amaranto conta como um grão integral e natural e seu consumo ajuda na regulação do sistema digestivo.

Antidiabético: Faz baixar o teor de glicose no sangue.

Antioxidante: Os antioxidantes neutralizam as substâncias instáveis conhecidas como radicais livres que podem causar danos, em especial às membranas das células. Exemplos de nutrientes antioxidantes: vitaminas C, E e A (beta-caroteno).

Boas práticas agrícolas: De forma geral, tem como objetivo a obtenção de um produto saudável, livre de contaminação (química, física ou biológica) orientado por diretrizes (documentadas) que as definem por meio de recomendações de caráter geral, contemplando todas as atividades relacionadas aos sistemas de produção. Assim consideram: práticas de produção atentando a procedimentos que minimizem riscos potenciais a saúde do consumidor, identificando perigos químicos, físicos e biológicos sejam iminentes ou futuros.

Beta-Caroteno: O Beta-Caroteno é uma importante fonte de vitamina A. O Beta-Caroteno e outros carotenóides são, por vezes, designados “provitaminas A”, visto que uma certa proporção deles pode, se necessário, ser convertida em vitamina A nos intestinos e no fígado. O Beta-Caroteno está presente nos legumes e fruta de cor amarela e cor-de-laranja (1500 mcg – DDR).

Biotina (Vitamina): A Biotina é importante para o crescimento celular e ajuda o corpo a dar melhor uso às gorduras e às proteínas e a manter um nível estável de açúcar no sangue. Protege o organismo contra anemias perniciosas. A Biotina está presente nos ovos, fígado e cereais (300 mcg – DDR).

Cañahua/Kañahua/Kaniwa: A Cañahua é originária dos Andes, geralmente é consumida em pó em refrescos com agua e acucar. A NASA a utiliza em suas viagens espaciais, porque tem mais nutrientes que qualquer outro laimento inclusive as estrela da NBA consomem este produto antes ds partidas porque aumenta a resistência. A Cañahua (Chenopodium pallidicaule) o Kaniwa, é um cultivo muito difundido no Altiplano boliviano, uma espécie que se desenvolve a 4.200 m.s.n.m.

Cálcio (Mineral): O Cálcio é o mineral mais abundante no corpo humano. É essencial na formação dos dentes e de ossos fortes e na transmissão de impulsos nervosos, estabilizando muitas funções corporais (1000 mg – DDR).

Calorias versus KCAL: Energia, na nutrição, refere-se à maneira pela qual o organismo utiliza a energia existente nas ligações químicas do alimento. A unidade padrão de energia é a caloria, que é a quantidade de energia térmica necessária para se elevar a temperatura de 1ºC. Devido ao fato da quantidade de energia envolvida no metabolismo dos gêneros alimentícios ser muito alta, a quilocaloria, igual a 1000 calorias, é comumente utilizada. Uma convenção permite a adoção dos termos kcal e calorias para expressar a quantidade de energia envolvida no metabolismo de alimentos.

Carboidratos: São a nossa principal fonte de energia e aparecem tanto em alimentos fibrosos, quanto refinados. Aqueles presentes no açúcar, arroz e macarrão convencionais são absorvidos rapidinho, causando picos de glicose e estoque de gordura. Prefira alimentos com menor teor de carboidratos.

São todos os mono, di e polissacarídeos, incluídos os polióis presentes no alimento, que são digeridos, absorvidos e metabolizados pelo ser humano.

Diet: É desenvolvido para dietas que restringem algum nutriente, como o açúcar é para os diabéticos ou o glúten para os celíacos. Quando retiramos 100% de um ingrediente, dizemos que o alimento é diet, mesmo que o seu valor calórico aumente. Diet não significa menos calorias, mas a restrição de nutrientes.

Depurativo: Purifica o sangue, facilitando a eliminação dos resíduos mediante uma ação diurética, laxativa ou sudorífica.

Desenvolvimento sustentável: forma de desenvolvimento econômico que não tem como paradigma o crescimento, mas a melhoria da qualidade de vida; que não caminha em direção ao esgotamento dos recursos naturais, nem gera substâncias tóxicas ao meio ambiente em quantidades acima da capacidade assimilativa do sistema natural; que reconhece o direito de existência das outras espécies; que reconhece o direito das gerações futuras em usufruir o planeta tal qual o conhecemos; que busca fazer as atividades humanas funcionarem em harmonia com o sistema natural, de forma que este tenha preservadas suas funções de manutenção da vida por um tempo indeterminado.

Digestivo: Auxilia a digestão, facilitando a atividade do estômago (exemplos: alecrim, camomila, aveia, gengibre).

Diurético: Favorece a depuração do sangue, eliminando as toxinas que este contém. Alguns diuréticos aumentam a excreção dos cloretos e são úteis em casos de edema, outros a da ureia e outros ainda podem simplesmente aumentar, durante algumas horas, o volume de urina (exemplos: salsa, taráxaco).

Doença Celíaca: A doença celíaca é uma reação autoimune do organismo provocada pela ingestão de glúten. As células de defesa atacam o glúten, mas ao mesmo tempo atacam também as paredes do intestino, provocando uma atrofia na mucosa intestinal que impede a absorção dos nutrientes. É uma doença crônica que exige a eliminação total do glúten na dieta por toda a vida. Acredita-se que a doença celíaca seja desenvolvida por pessoas geneticamente suscetíveis, sendo mais comum em mulheres e aparecendo geralmente na infância, embora possa surgir em qualquer idade. Muitas pessoas são intolerantes ao glúten e por esse motivo, o mercado de produtos alimentares sem glúten tem crescido bastante, para suprir a necessidade de pessoas que não podem ingerir alimentos com glúten.

Sem conteúdo para a letra E

Ferro (Mineral): É um componente da hemoglobina (responsável pelo transporte de oxigénio pelas células). Reforça o sistema imunitário (18 mg – DDR).

Fibra alimentar: É qualquer material comestível que não seja hidrolisado pelas enzimas endógenas do trato digestivo humano.

Fibras: As fibras agem como uma vassourinha no nosso corpo. Elas absorvem os excessos de açúcar e gordura, varrendo para fora o que não precisamos. Assim, além de reduzir essa absorção excessiva, ajudam no funcionamento do intestino. Para consumir esses faxineiros do bem, coma bastante verduras, legumes e frutas com cascas e prefira alimentos integrais.

Fósforo (Mineral): É um componente essencial das membranas das células. Trabalha em conjunto com o cálcio na formação dos ossos e dentes, em funções no fígado e na contração muscular do coração (1000 mg – DDR).

Frutose: A frutose também é um tipo de adoçante natural, mas que, porém, é extraído de frutas ou do milho. De sabor muito mais doce, o ingrediente é carrega menores valores nutricionais e é utilizado na produção de doces industrializados.

OGM/GMO: É a sigla de Organismos Geneticamente Modificados, organismos manipulados geneticamente, de modo a favorecer características desejadas, como a cor, tamanho etc. Os OGMs possuem alteração em trecho(s) do genoma realizadas através da tecnologia do RNA[1] /DNA recombinante ou engenharia genética.Na maior parte das vezes, quando se fala em Organismos Geneticamente Modificados, trata-se de organismos transgênicos. Mas OGMs e transgênicos não são sinônimos: todo transgênico é um organismo geneticamente modificado, mas nem todo OGM é um transgênico. Veja Transgênico.

Glúten: é uma proteína composta pela mistura das proteínas gliadina e glutenina, que se encontram naturalmente na semente de muitos cereais, como trigo, cevada, centeio e aveia. Para algumas pessoas, a ingestão de glúten provoca danos na parede do intestino delgado, acarretando prejuízos para a saúde Alimentos com Glúten. Qualquer receita ou produto alimentar que apresenta na sua composição algum desses alimentos, vai possuir glúten, mesmo que em pequenas quantidades.É muito frequente surgir em determinadas embalagens de produtos alimentícios a frase: "Contém glúten". É um alerta para as pessoas intolerantes ao glúten não consumirem aquele produto.

Glúten e Obesidade: Existem dietas que excluem totalmente o glúten da alimentação, porque algumas pessoas afirmam que o glúten está diretamente relacionado com a obesidade. A literatura aponta para os benefícios da eliminação total do gluten (autoria de Regina Racco intitulado Glúten e Obesidade A Verdade Que Emagrece). Embora, especialistas afirmam que a eliminação total do glúten só é aconselhada a pessoas que sejam intolerantes a essa proteína. Outros especialistas, contestam, como toda ciência e indicam que, como o glúten está presente em muitos carboidratos, a redução do glúten na alimentação implica uma redução nas calorias e consequentemente no peso, algo que acontece em qualquer tipo de dieta, com ou sem restrição do glúten.

Gorduras: São substâncias de origem vegetal ou animal, insolúveis em água, formadas de triglicerídeos e pequena quantidades de não glicerídeos, principalmente fosfolipídeos. São necessárias, mas em pequena quantidade. Evite gorduras saturadas e trans, escolha as gorduras boas, encontradas nos peixes, azeite e castanhas. Mas lembre-se: mesmo para as gorduras boas é importante dosar, uma colher de azeite no tempero da salada já tem cerca de 75 calorias.

Gorduras saturadas: São os triglicerídeos que contém ácidos graxos sem duplas ligações, expressos como ácidos graxos livres.

Gorduras monoinsaturadas: São os triglicerídeos que contém ácidos graxos com uma dupla ligação cis, expressos como ácidos graxos livres.

Gorduras poliinsaturadas: São os triglicerídeos que contém ácidos graxos com duplas ligações cis-cis separadas por grupo metileno, expressos como ácidos graxos livres.

Gorduras trans (ou ácidos graxos trans): São os triglicerídeos que contém ácidos graxos instaurados com uma ou mais duplas ligações trans, expressos em ácidos graxos livres. São formadas quando se adiciona hidrogênio ao óleo vegetal, num processo conhecido como hidrogenação. São encontradas nas margarinas, cremes vegetais, biscoitos, snacks (salgadinhos prontos), produtos de panificação e, alimentos fritos e lanches salgados que utilizam as gorduras hidrogenadas na sua preparação. Gorduras provenientes de animais ruminantes também apresentam teores de gorduras trans.

Sem conteúdo para a letra H

Intolerância ao Glúten: Por ser uma proteína de difícil digestão, é comum haver algum tipo de intolerância ao glúten, semelhante à que ocorre com a lactose do leite, embora neste caso se trate de um açúcar.

Impacto ambiental: Qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente, causadas por qualquer forma de matéria ou energia resultante das atividades humanas que direta, ou indiretamente, afetam: saúde, a segurança e o bem estar da população, as atividades sociais e econômicas, a biota, as condições estéticas e sanitárias do meio ambiente e a quantidade dos recursos naturais. (CONAMA 001/86).

Sem conteúdo para a letra J
Sem conteúdo para a letra K

Light: Muito requisitado nas dietas para perda de peso, o light nem sempre tem uma redução significativa de calorias. Chamamos de light todo alimento em que se reduz 25% de um ou mais componentes como açúcar, gorduras, colesterol ou sódio.

Maca: A Maca faz parte da biodiversidade e recursos genéticos alimentares dos Andes. Trata-se de um alimento funcional ancestralmente utilizado na dieta das famílias Andinas. Maca Andina, nome cientifico Lepidium meyenii Walp. (Fam.Brassicaceae) tem sido descoberta pelas pessoas adeptas de uma alimentação complementar saudável. Pertencente à família das Brasicáseas, a raiz – que lembra um nabo ou um rabanete, originalmente se produz no Altiplano Andino nas variedades creme ao amarelo, violeta ao vermelho e preto, entre 3000 e 4500 metros de altitude, num ambiente de baixa pressão atmosférica, resistente às condições atmosféricas adversas. A raíz é de 3 a 6 cm largura e 4.7 cm de comprimento.

A Maca é tradicionalmente usada na cultura Andina como um potente alimento funcional que melhora as condições físicas humanas para enfrentar trabalhos que exigem muita energia e condições físicas adequadas à necessidade de esforço físico e ambiental, como é a realidade da altura Andina.

Por ser de manejo ancestral e familiar, a produção é limpa, sem agrotóxicos ou qualquer tipo de fertilizantes industriais ou similares, porque esse ambiente adverso onde ela se desenvolve, é o mesmo que cria todas as condições de proteção contra pragas e doenças. A Maca é tradicionalmente cultivada em pequenas áreas de 1.000 a 2.000 m2 há mais de 100 anos! Nestas áreas não existe revezamento de culturas exatamente para evitar a contaminação cruzada dos alimentos.

Nutriente: Um nutriente é qualquer substância existente na comida que o nosso corpo possa utilizar para: obter energia, sintetizar tecidos ou regular processos corporais. Existem 7 grupos de nutrientes (Hidratos de carbono, Proteinas, Lipidos, Vitaminas, MacroMinerais, MicroMinerais e a Água).

Sem conteúdo para a letra O

Proteínas:São polímeros de aminoácidos ou compostos que contém polímeros de aminoácidos. São responsáveis por uma série de funções, como o crescimento de unhas e cabelos, reposição da pele e construção de músculos. O segredo para consumir vai da escolha ao preparo. São fontes de proteína: carnes (prefira cortes magros) leite, ovos, soja e outros.

Quilojoules: O quilojoule (kJ), assim como a quilocaloria, é uma unidade de energia usada para medir calor. Cada quilojoule corresponde a aproximadamente 4,2 quilocalorias. A caloria é uma medida mais conhecida da população e usada com freqüência (kcal). Desse modo, basta converter as medidas em quilojoules para calorias dividindo o primeiro por 4,2.

Sem conteúdo para a letra R
Sem conteúdo para a letra S
Sem conteúdo para a letra T
Sem conteúdo para a letra U
Sem conteúdo para a letra V
Sem conteúdo para a letra W
Sem conteúdo para a letra X
Sem conteúdo para a letra Y
Sem conteúdo para a letra Z